Amizade ao liderar pessoas – qual é o limite?

Sem Consistência Não Há Liderança
16 de maio de 2019
Palestra em Brasília para UNB
5 de setembro de 2019
Mostrar tudo

Os profissionais que passam a trabalhar juntos por muito tempo, geram uma convivência que pode se transformar em amizade, e isso é normal. Muitas vezes, o que acontece, é que as pessoas não percebem que as responsabilidades de seu cargo não podem entrar em conflito com suas relações sociais, pois mesmo que não queiram, existem limites.

Nesses últimos anos, atendendo a centenas de empresas nos mais variados segmentos, já ouvi pessoas chamando um colega de “puxa saco”, pois a amizade com outro colega, que ocupava um cargo superior, era tão presente no ambiente de trabalho que a imagem passada aos demais, era essa. Em outros casos, já ouvi gente falando que o fulano é o preferido do líder, pois a afinidade entre eles passou essa impressão. Situações como essas não contribuem para o bom clima de trabalho.

Não há como não ter vínculos de amizade no trabalho, porém um líder precisa saber dosar isso, para que não transmita impressões negativas para outros membros da equipe. Todos os liderados querem ser reconhecidos, querem a atenção do líder, querem ser tratados de igual forma. Essa é uma situação delicada, não há como negar. Por exemplo, se uma pessoa muito próxima do líder recebe uma promoção, o que os outros liderados podem pensar? Da mesma forma, se uma pessoa recebe a tão esperada promoção, mas o amigo próximo do líder não a recebe. Como o amigo vai interpretar isso?

Um verdadeiro líder sabe deixar claro quais são os limites. Ele entende que é preciso ter uma separação da amizade com a relação profissional no sentido de não prejudicar uma área ou outra.

O líder é aquele que orienta e corrige quando necessário. No contexto profissional “ser amigo” dos liderados tem que ser no sentido de estar acompanhando, encorajando e mostrando que se preocupa com o bem-estar e crescimento de todos. Dessa forma, o líder estabelece um clima de confiança com seus colaboradores, criando um ambiente favorável para o trabalho. Ele deve deixar claro que as relações de amizade são importantes, porém jamais devem extrapolar, pois todos precisam saber que, em alguns momentos vai ter cobrança, em outros o líder terá que dar feedback e, que haverá situações em que o líder estará somente batendo um papo ou mesmo tomando um café junto com seu time. Isso faz parte do trabalho, é assim que um líder deve agir.

Líderes e liderados precisam ter maturidade para reconhecer que postura profissional também é saber separar as questões pessoais das profissionais. Caso contrário, o líder perde, o amigo perde e a empresa sai prejudicada. Vida profissional e vida pessoal são diferentes, é preciso entender isso para que ninguém acabe sendo lesado.

Líderes preparados, com competência emocional e conscientes de sua responsabilidade, conseguem exercer liderança sem prejudicar os relacionamentos de amizade cumprindo, assim, seu papel na empresa. Todos, independente de cargos e funções, devem se adaptar aos valores da organização, caso contrário a relação profissional não se manterá sólida. Por esse motivo, o líder tem que ser firme quando for preciso, dando oportunidade quando ela for merecida, sem deixar de ser amigo e sem deixar que a amizade, com um ou mais liderados, interfira nas decisões que precisam ser tomadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *